Dermatite atópica

dermatite_atopica_dermatologista_pele

A dermatite atópica é caracterizada por ser uma dermatose inflamatória crônica, acompanhada de prurido intenso, com períodos de crises e acalmia. É associada com frequência a quadro respiratório (asma ou rinite). Inicia-se em geral nos primeiros anos de vida, ocorrendo antes dos sete anos de idade na maioria dos casos, possui características e localização típicas, variando de acordo com a idade. Sua prevalência oscila ao redor de 10 a 15% da população pediátrica, e cerca de 1-3% dos adultos.

A etiopatogenia da dermatite atópica é multifatorial, envolvendo fatores genéticos, disfunções imunológicas e alterações da barreira cutânea. A presença de atopia em pais e/ou irmãos constitui um importante fator de risco ao desenvolvimento de dermatite atópica. Caso ambos os pais apresentem a doença, a chance de uma criança possuir dermatite atópica é de 70%.

Quais são os sintomas que o paciente irá perceber?

Clinicamente a dermatite atópica apresenta algumas características comuns de acordo com a faixa etária. Ela pode ser dividida em 3 fases evolutivas:

  • Lactente (3 meses – 2 anos) – face, região extensora dos membros.
  • Infantil ou pré-puberal (2 – 12 anos) – face e região flexora dos membros.
  • Puberal (12 aos 18 anos) – face, região cervical, região extensora dos membros, eczema inespecífico das mãos e pés

Não há um tipo de lesão definida e, com isso, pode se manifestar por vermelhidão nas dobras da pele, fissuras nas mãos e pés, descamação da pele e principalmente, pelo ressecamento. O prurido (coceira) na dermatite atópica é o principal sintoma que interfere na qualidade de vida destes pacientes. A causa do prurido ainda não foi totalmente definida, mas parece ter influências de agentes externos, além da produção de determinadas substâncias pelo organismo dos pacientes.

Devido ao prurido intenso, o sono é prejudicado e o cansaço durante o dia é comum.

Existe tratamento?

O tratamento é feito por meio de medicamentos tópicos, via oral ou injeções, além de mudanças de hábito de vida e uso de cremes e emolientes específicos. A fototerapia é extremamente eficaz no controle da coceira além de reduzir a inflamação da pele. Atualmente, existem diversos medicamentos Imunobiológicos que podem mudar a evolução da doença Dermatite Atópica.

O que mais o paciente pode apresentar?

Alguns pacientes podem apresentar alterações na unha, além de alteração na impressão digital de forma definitiva. Existem pacientes que apresentam alterações nos cabelos (alopecia areata e outros) além de alterações nos olhos que merecem cuidados específicos. Outra doença que merece atenção é a ansiedade e depressão que pode afetar os pacientes e familiares.

É essencial o acompanhamento regular com um dermatologista para prevenir e evitar possíveis complicações na dermatite atópica. Entre elas estão: infecções por vírus (Herpes) e bactérias (S. aureus).

Quando o diagnóstico correto faz toda diferença?

O diagnóstico é feito clinicamente pelo dermatologista com base em histórico do paciente, seus hábitos de vida e exame clínico minucioso. O início precoce e adequado do tratamento previne a cronicidade da doença além de reduzir a gravidade das crises. Uma vez que a dermatite atópica afeta os aspectos físico, psicológico, psicossocial e ocupacional do paciente, ela gera um grande impacto para o mesmo, para os familiares e para a sociedade. Além disso, os custos diretos (tratamentos) e indiretos (pela diminuição da produtividade) envolvidos no manejo do paciente com dermatite atópica podem ser significativos, afetando toda a família.